Revista de Cultura

Search
Close this search box.

Revista de Cultura

Search
Close this search box.

Diálogos (1836), de Ana Eurídice

Daniel F. Gerhartz, "Mulher escrevendo no jardim"

Ana Eurídice Eufrosina de Barandas (1806-1863)

Duas palavras

Em 1837, depois da memorável reação de Porto Alegre, não se ouvia falar senão em partidos, desordens, planos de ataques, de defesas, intrigas políticas, etc. E de tal maneira grassou a mania, que as mesmas senhoras, e até as crianças, já não sabiam outro assunto para os seus entretenimentos.

Principiaram os homens a gritar alta e poderosamente contra as pobres mulheres (que não faziam mais que seguir o seu exemplo) que era muito mal feito o meterem-se elas lá com suas políticas, e não sei o que mais.

Todas nós demos o cavaco com isso; pois que já tínhamos perdido o tino às modas, aos arranjos domésticos: as línguas das comadres já se haviam divergido um pouco da pele do próximo… Adeus conversas. Era para ver o nosso embaraço! Foi quando escrevi os diálogos seguintes, para desabafar.

Hoje que estou a sangue frio, peço perdão aos Srs. que ficarem com a testa franzida quando os lerem; pois bem sabem que a razão se turva, como a água, sendo agitada pelas paixões.

Máxima do Marquês de Maricá.

O homem sábio e ilustrado não duvida abandonar suas opiniões, quando as conhece defeituosas, e se lhe apresentam outras mais verídicas; porém, o superficial insiste em não querer abandoná-las, porque as têm por infalíveis.

Mattos


Diálogos

Huberto (pai); Mariana (filha) e Alfredo (primo).

Alfredo. Não gosto, minha prima, de ver-vos tão partidista; esses entusiasmos não são próprios do vosso sexo: e se soubesses o quanto é ridículo em uma mulher o dissertar em política, jamais ousaríeis abrir a boca para dizer uma só palavra a tal respeito: deixai-vos disso; uma Sra. não deve adotar partido algum.

Huberto. Dizeis muito bem, Alfredo: debalde tenho quebrado a cabeça com esta rapariga, que se não importe com estas coisas, e que cuide de suas costuras e no arranjo da casa, que para isso só foi feita a mulher… E o que é uma mulher? Eu quisera que me dissessem o que é uma mulher nesta vida, para vir cá meter-se nos nossos negócios…!

Mariana. Muito satisfeito está meu pai em ter Alfredo da sua parte! E pode estar seguro que não só terá Alfredo, como a maior parte dos homens; todos sabem perguntar: “o que é uma mulher?” Como se uma mulher fora uma coisa indefinida! É verdade que o vaidoso orgulho dos homens não compreende como, arrogando tudo a si, não pode escapar ao poderoso império que elas exercem sobre eles. Então vingam-se em mandar-nos para a costura. Tenham paciência, meus Srs., também cansamos com tanto cozer, e pedimos-lhes alguns momentos de folga.

Huberto. Que lhes parece?…

Alfredo. Tenham-nos embora, mas não os gastem só em política, que é agora mania de todos! Será melhor que os aproveitassem nas suas obrigações, e…

Mariana. Muito bem: os homens igualmente têm obrigações a cuidar; e se cada um só tratasse do que tinha a fazer, não veríamos hoje a nossa infeliz Pátria coberta de assassinos, nem tantos horrores! As nossas lágrimas nunca foram poupadas!

Alfredo. Nada de choros! Ou então deixamos a conversa.

Huberto. Chorem elas à sua vontade, contanto que não se metam onde não as chamam.

Alfredo. É verdade: não há maior disparate que ver uma Sra. toda entusiasmada por partido, a dar por paus e por pedras, como se a chave dos negócios estivesse nas suas mãos! Ora, que um homem tome a peito essas coisas, e que sacrifique tudo a bem da Pátria, é louvável; mas uma Sra.? Não sei para que fim!

Mariana. Sim, é mui louvável sacrificar interesses particulares ao bem comum: a Pátria tem sagrados direitos ao nosso amor, e por isso merecerão sempre ser decantados e apontados como os mais belos modelos de patriotismo, um Catão, um Brutus, um Aristides e outros muitos bem conhecidos na história. Mas dizei-me, Alfredo: foi o bem da Pátria que acendeu o primeiro facho da discórdia nesta Província? Não me é permitido entrar nesse conhecimento: mas sempre direi que quando esses Srs. pensaram fazer esta desgraçada revolução, seus corações não estavam cheios só desse louvável sentimento: aí entrou mais alguma coisa, ou interesse, ou vingança.

Se o primeiro, foi mui mal entendido; se a segunda, foi ter uma alma danada. Se eles quisessem falar a pura verdade, em lugar de dizerem lindas coisas para embalar o povo incauto, diriam: só por este meio posso subir a tal auge, adquirir tais riquezas sobretudo o meu amor próprio se verá satisfeito, e o meu orgulho vingado de tais e tais, que o têm atacado. Portanto, ajudai-me vós outros levianos, nesta empresa. Vinde com ferro e fogo matar, destruir tudo, contanto que os meus desejos sejam preenchidos, não importa o mais. Não são eles tolos para assim o dizerem, porque logo os mandariam para a casa dos orates; mas douram a pílula e fazem-na ao paladar dos gulosos que, sentindo o doce, são capazes de engolir o maior veneno sem a menor reflexão, só porque lhes sabe bem.

Alfredo. Ora, muito obrigado. Eu assento que quando um homem dispõe-se a essas coisas, é a força de um grande entusiasmo patriótico, ou bem ou mal entendido, e que talvez nem de si se lembre.

Mariana. Bravo! Que desinteresse!… Nada há de mais belo seguramente que um verdadeiro patriotismo: mas é que quase sempre os maliciosos servem-se desse lindo manto para cobrirem seus malignos projetos; e como sabem que a política é a arma mais eficaz para conseguir os seus fins, marcham por caminhos torcidos e ocultos para que os incautos, vendo o abismo ao longe, não recuem a tempo de salvarem-se, dando por terra com suas aéreas esperanças.

Alfredo. Por desgraça assim sucede muitas vezes! E temos presentemente o exemplo debaixo dos nossos olhos. Mas que quereis? Os homens não são anjos, logo, estão sujeitos a errar.

Mariana. Não, os homens nunca erram: isso neles é tudo virtude. Eles tiveram o cuidado de fazer o seu Código bem ao seu paladar.

Huberto. Aqui está quando me falta a paciência! Rapariga, fala nos teus bordados, rendas, costuras, e não te importes com essas coisas. Não vês como menoscabam as mulheres que querem parecer doutoras?

Mariana. Assim é, meu pai, pois eu li não sei que autor que diz – os homens são injustos, a presença de uma mulher sábia ofende excessivamente o seu orgulho – e seguia-se – têm compaixão de sua fraqueza e obra de sorte que, à força de modéstia, perdoem a tua ciência. Que refinado egoísmo! Contudo, eu desejava sempre demonstrar a Alfredo que nós mulheres não somos tão dignas de censura como ele acaba de dizer, em seguirmos este ou aquele partido; e que, assim como nos homens há motivos para adotar o que melhor lhes parece, também em nós há razões bastantes que nos obrigam a fazer outro tanto.

Alfredo. Não compreendo quais sejam essas razões. Há uma diferença imensa de uns a outros.

Mariana. Estais enganado, meu primo; a diferença acha-se só na cor e na superfície (permiti que assim me explique), o centro é todo o mesmo. Quando a um homem se apresentam vários partidos, ele não os segue indiferentemente; mas pesando-os lá no seu entendimento: aquele que lhe oferece maiores vantagens é o que ele abraça, embora convenha ou não convenha à Pátria.1 Em vão a consciência lhe grita – ah! homem inconsequente! Que cegueira é a tua? Olhas só para o lado que mais favorece as tuas paixões e deslumbra-te o seu encanto!… Não vês da outra parte o precipício tão perto? Treme, desgraçado, se te deixas arrastar a ele!… Mas és surdo aos meus clamores… A ambição, o orgulho e a vingança apoderaram-se de teu coração! O sangue do teu próximo injustamente derramado, a inocência oprimida, as lágrimas do órfão, os lamentos da viúva, tudo para ti é nada! És um monstro abominável! Teu coração está fechado a todo o sentimento de humanidade.

Alfredo. Devagar, minha prima! A paixão também agora vos cega: não faleis assim, porque decerto os homens não te ficam muito afeiçoados.

Mariana. Embora!… E não precisarão ouvir-me para estarem convencidos das verdades: os remorsos com mais eloquência lhes falarão ao coração.

Huberto. Ora, deixem-se disso! Já muito me aborrece não ouvir falar senão em partidos; e muito principalmente as Senhoras mulheres, que estou vendo que hoje em dia nos querem ditar leis!

Alfredo. Também sou do vosso parecer. E ainda estou no meu firme propósito, que é mui grande disparate uma Sra. mostrar predileção por partidos, seja ele qual for.

Mariana. Oh meu Deus!… Com razão falariam os homens, se os incômodos, sustos, desgostos, em uma palavra, tudo o que é desgraça, fosse nesses casos só partilha deles; e que nós mulheres, tomando uma essência divina, ficássemos intactas a todos os males a que é sujeita a humana natureza! Então poderíamos olhar indiferentemente para tudo e dizer – somos independentes: a nós nada nos pode incomodar, logo nada temos a temer; lá se avenham os homens. – Neste caso sim; e seria eu a primeira a argui-las, se as visse tomar parte nessas coisas; e então seria bem-feito que eles encrespando as sobrancelhas lhes gritassem: vão fiar, mulheres!

Alfredo (rindo-se). Decerto!…

Mariana. Ris-te, Alfredo? Pois só nessa suposição seria justo o dizer de meu pai, o vosso e dos mais; fora disso, é a primeira injustiça, e sem razão que obrais para conosco. Como se não tivéssemos uma vida a conservar, dores a sentir, angústias, fomes, misérias, enfim, toda a casta de males a que os homens estão sujeitos! E demais, a dependência em que eles mui cuidadosamente nos habituam, a nossa natural fraqueza, a nossa mesma educação, tende muito para fazer-nos n’alma maior impressão os sentimentos morais; e por isso com mais facilidade amamos, aborrecemos, desejamos, tememos, etc.

Alfredo. Não há dúvida.

Mariana. Então para que condenais tão rigorosamente defeitos que procedem de causas poderosíssimas? Basta para justificar-nos, este prolóquio – todo o vivente se interessa pela sua própria conservação. Portanto, não se deve estranhar que uma mulher abrace o que no seu entendimento se lhe figura mais vantajoso.

Alfredo. Parece-me que principiei por arguir-vos e acabei louvando-vos! Já me arrependo de ter-vos lançado a luva! Estou quase dando razão às Senhoras… que dizeis, meu tio?

Huberto. Homem! Nunca é bom dar razão às mulheres, digam elas lá o que disserem.

Alfredo. Isso não: deve-se dar razão a quem a tem, seja lá quem for. A minha prima tem-me feito quase mudar de opinião, e se continua a dissertar sobre o mesmo assunto com razões tão justas, serei obrigado, à força da persuasão, a confessar o meu erro e a gritar alto e em bom som – as mulheres têm razão!

Huberto. Oh! Oh! Oh! Pois sim! É pregar no deserto.

Mariana. É preciso, meu primo (visto que sois tão imparcial) que eu continue a justificar-nos: quero ter o gosto de persuadir ao menos um homem! Trarei agora um exemplo bastante forte para a justificação de algumas. – Uma mulher que amasse Bento Gonçalves, por exemplo, e que este lhe retribuísse tal afeto: ora todos nós sabemos por experiência própria que nessas ocasiões a nossa razão manqueja algum tanto, assim como também, que costuma refletir do objeto amado certo encanto, que embeleza a nossos olhos tudo que lhe diz respeito. Bento Gonçalves adota o partido farroupilha lá pelos seus particulares interesses, e ela que não tem uma vontade própria, que o seu ídolo é o centro de todas as suas ações e que vê a sua felicidade tão inerente ao bom êxito daquele partido, como poderá ser-lhe indiferente? Seu coração adota-o por necessidade, sem mais nada ver nem examinar. Vítima de amor e do receio, bem semelhante àquele que a força irresistível da tempestuosa borrasca fez naufragar no meio do Oceano, agira-se, braceja, inda mesmo tendo a terrível convicção que são impotentes todos os seus movimentos para salvar-lhe a vida! Ah! E quem não lhe perdoará? Ponha-se todo o mundo no seu lugar; metam as mãos nas suas consciências, e ninguém ousará incriminar essa mulher.

Alfredo. Que seja mil vezes absolvida! Quase desejei agora ser Bento Gonçalves! Ora, essa mulher necessariamente há de ser uma farroupilha exaltada.

Mariana. Outro exemplo: sou casada e meu marido defende a Legalidade; apresenta-se-me logo a ideia que, se este partido for abaixo, ele será preso, desterrado ou morto talvez. Quantas coisas não tenho eu a temer? Desgostos, aflições, trabalhos, misérias, vexames… Oh Deus! Que forças bastariam para então não sucumbir! Digam, digam ainda os homens injustos que não nos devemos importar com coisa alguma! Mandem-nos para a costura com a impassibilidade no coração, quando nas garras da miséria… ou vendo um esposo querido acabar às mãos de um verdugo! Desgraçada, tendes razão a temer! E mais razão ainda de desejar que o partido que mais vos interessa, prevaleça! Não é por desejar que haja esta ou aquela instituição do Governo, nem que as coisas políticas sejam desta ou daquela forma; mas sim, pelo imediato interesse que tomamos nos homens que adotam esses partidos, e pelos quais nos cabe uma boa dose de seus incômodos.

Alfredo. Basta, minha prima, basta: os vossos argumentos são mui fortes, confesso-me vencido; e dou o dito por não dito. Porém, aí justificastes amantes e esposos; e como se justificarão aquelas que não são nem uma nem outra coisa? Já agora tirai-me todos os escrúpulos.

Mariana. Sois muito escrupuloso. É impossível que não conheças que essas hão de acudir por pais, filhos, irmãos, parentes, etc.; pois também a amizade tem seus sagrados direitos em nossos corações.

Alfredo. Justamente: e essas hão de ser as moderadas. É preciso, meu tio, que digamos juntos – vitória ao belo sexo.

Huberto. Pois não… Essa é boa. Palavras não me convencem; e digo e ainda torno a dizer: é ridículo e mui ridículo este costume de deixarem as mulheres meterem o seu bedelho em tudo.

Alfredo. Pois eu já penso de outra maneira. Só o que ainda custa-me a levar é ver algumas dentre elas que, sem saberem o que nem para que, metem-se mui asinhas a aprovar, a desaprovar, a falar, a dar por paus e por pedras: em uma palavra a dar a entender que elas são as guias de todos os negócios do Estado! Fazem-me lembrar da importância que a si dava a importuna mosca da careca, de uma fábula de La Fontaine.

Huberto. Tal e qual.

Mariana. Meu primo, isso está muito exagerado! Eu também poderia mostrar-vos que uma parte dos homens peca igualmente a esse respeito. Tenho falado com alguns que, cheios de impavidez, gritam, declamam a torto e a direito, sempre com a Pátria e a Liberdade na boca: se lhes perguntarem o que eles entendem por Liberdade ou Patriotismo, pelo que tanta bulha fazem, enchem-nos os ouvidos de uma infinidade de sofismas, deixando-nos convencidas só de sua crassa ignorância.

Huberto. Todo o farrapo sabe muito bem distinguir a Liberdade: – Liberdade é ir à casa alheia tirar o seu a seu dono. – Ah, cães! Com que ganas e furor não vinham eles, quando no outro dia nos vieram acometer às trincheiras! Ah!, que se eles entram, pobres dos homens!

Mariana. E também pobres mulheres.

Huberto. Quais mulheres, nem meias mulheres! Que se importavam eles lá com as mulheres? Que tinham as mulheres com isso?

Mariana. Ora, meu pai, na suposição que eles a nós não nos fizessem mal algum, teria lugar o menor sossego? Quereríeis talvez que eu a sangue frio visse entrar por esta casa a dentro homens malvados a saciarem seu furor de vingança, matarem, roubarem, e fazerem mil horrores, só porque meu pai servia o partido da Legalidade?!

Huberto (arregalando os olhos). Roubarem-me! A gente anda toda a vida a juntar uns vintenzinhos, para assim ser roubado? Vão trabalhar, corja de vadios! Ladrões! Cada um poupa o seu vintém, não é para mantê-lo nas unhas de diabo nenhum… Isso não se podia sofrer! Tens razão, minha filha, não se pode negar.

Alfredo (rindo-se). Até que por fim a minha prima Mariana venceu-nos ambos. Já lhe deste razão.

Huberto (correndo). Valha-me Deus! Não deixa de ter o seu fundamento… só nisso: mas é que uma mulher não… não sabe… não entende que o… a…

Mariana. Não entende senão da costura: não é assim, meu pai?

Huberto (assumindo o seu primeiro tom). Adivinha! Enquanto a mim, a mulher foi feita e formada só para servir os homens, assim como Deus formou os brutos.

Alfredo. Oh! Que ataque, minha prima! Onde irás agora buscar razões para rebater o golpe que tão desapiedadamente meu tio descarregou no vosso sexo? Por mim, não as encontro.

Mariana. Ora que admiração! Sendo vós homem, necessariamente vos há de lisonjear tal doutrina. Mas quisera saber a razão de não achardes razões que contradigam semelhante absurdo.

Alfredo. Na verdade não me soa mal ao ouvido. Demais, Deus formando-nos à sua semelhança, disse-nos: – gozai e dominai sobre tudo –. E eis o homem, a sua obra principal, fazendo tudo ao pé da letra.

Mariana. Muito estimo que tomásseis um caminho tão elevado para demonstrar-me a vossa superioridade. Tomando eu as vossas próprias armas, já vos mostro que a nós mulheres é que compete o pomposo título de – Obra principal da Divindade –. E pelos mesmos princípios nos quais buscais vosso domínio, vou rebater-vos.

Alfredo. Quero ver isso…

Mariana. Tomai sentido: Deus quando formou o Universo, não fez tudo num só instante, mas sim, gastando seis dias.

No primeiro criou a luz; no segundo, o céu; no terceiro, separou o céu da terra e dela fez nascer todas as árvores e plantes; no quarto, criou o sol, a lua, estrelas, planetas, etc.

Não falo nos satélites (se bem que já lá foi a lua), porque, segundo o sistema do nosso José Victorino, na sua nova teoria do Universo, eles foram feitos muito depois pelo acaso e revolução dos planetas a que pertencem; mas como ia dizendo, no quinto criou Deus os peixes e os pássaros, e no sexto, fez sair da terra todos os animais, vindo o homem também nessa súcia. Aperfeiçoou este, dando-lhe a sua semelhança e animando-o com uma centelha de Sua Divina Graça. Depois de o haver concluído, disse-lhe: – goza de tudo o que vês, e domina sobre tudo que existe. Mas notai bem, que a mulher ainda então não existia, e que portanto ficou excetuada desse fatal domínio.

Alfredo. Oh! Por essa agora não esperava eu. Vamos adiante.

Mariana. O Ente Supremo, maravilhado com tudo que acabara de fazer, lembrou-se de criar, por excelência, uma outra criatura e que esta, tendo uma origem mais nobre e mais primorosa, servisse de realce e de requinte à sua inaudita glória… E criou a mulher.

Alfredo. Santa maravilha!

Mariana (continuando). Eu te associo a uma criatura digna de mim – disse o Onipotente ao homem. – Ei-la! Nada mais me resta a fazer. – E Deus não fez mais nada.

Alfredo. Não há dúvida nenhuma…

Huberto. Ora! Ocupou-se Ele numa fresca coisa! Melhor que estivesse a dormir!

Alfredo. Meu tio, talvez que não falásseis assim há vinte anos passados? Que dizeis?

Huberto. Com mui pouca diferença. Nunca lhe dei améns… Sempre foi – arre para ali!, e acabou-se.

Alfredo. A isso é que se chama a razão do mais forte.

Mariana. E essa é a única base sobre que os homens têm fundado o seu império. Criando-nos Deus destinadas só a gozarmos, achou que era supérfluo em nós aquela força física que prodigalizou ao homem e a uma boa parte dos brutos; porém, como da mesma flor que a abelha colhe o mel, tira o áspide o veneno, assim esse mesmo homem prevaleceu-se de nossa fraqueza para sobre ela edificar o seu intruso domínio. Enfim, eu não pretendia levar a questão a tão longe: a minha tenção era só mostrar-vos que o belo sexo não era tão digno das vossas censuras, e nem tão ridículo como dizeis, em mostrar-se interessado por qualquer partido. E demais, Srs., prescindindo das razões já expostas, concluo: – Tendo nós os mesmos atributos, os mesmos sentidos (sim, não podeis negar-nos o tato, olfato, vista, etc.), e igualmente uma alma espiritual, uma voz, por que autoridade haveis de pensar, amar, aborrecer, desejar, temer e seguir a vossa vontade como bem vos parece, e não haveis de querer que nós outras façamos uso desse admirável presente que recebemos da mão do Criador?! Não: também temos um alvedrio, bem a pesar vosso, pois que tendes querido fazer mais que o Onipotente… Sujeitá-lo ao vosso poder e às vossas fantasias! Porém, a vossa mesma injustiça nos sugere armas para combater-vos. Insensatos! Em vão forcejais fascinar-nos; em vão pretendeis despojar-nos, matai-nos: é o poder do mais forte, mas nunca levareis a palma de dominar as ações e movimentos interiores da nossa alma. Ela é independente de vosso orgulhoso império. Vingai-vos em ridicularizar-nos, em menoscabar-nos, quando vos dá na vista o livre exercício de nossa liberdade. Melhor fora que desistísseis dessa pretensão para não dardes a conhecer vossa impotência, e não terdes tantas ocasiões de experimentar esta verdade.

Huberto. Pegai-lhe lá com um trapo quente!… Nunca tal ouvi dizer! Porém, agora tudo se diz. Ah!, meu bom tempo!

Alfredo. Bravo, minha prima. O mesmo Cícero não advogaria melhor a causa do vosso sexo.

Mariana (cheia de entusiasmo). Sim, Alfredo, e vós outros dignos heróis da Pátria, não sede injustos para conosco. Aceitai de bom grado as flores que vos oferecemos: ponde-as junto aos verdejantes louros que tendes colhido, eles se tornarão mais belos e interessantes. E vós, sobretudo, Magnânimos Defensores da Legalidade, que encarastes por tantas vezes a morte, quando nas trincheiras o inimigo furioso vos acometia, não leveis a mal sentimentos que o reconhecimento soube inspirar-nos. O vosso incansável valor salvou-nos dos horrores de uma invasão! Sofrei, pois, que a gratidão jamais se risque dos nossos corações e que, cheias de admiração, possamos olhar com entusiasmo os valerosos que nos arrancaram das feias bordas do abismo. Ah!, sofrei igualmente que convosco compartilhemos do inefável prazer de ver florescer tão justa e louvável causa. E praza aos céus que exista sempre entre vós a mais perfeita união, para poderdes levar ao fim o que tão de bom grado empreendestes, e que nunca desmintais o caráter de Homem de Bem que até aqui tendes mostrado.

Aceitai os nossos mais puros votos, como um tributo devido às vossas virtudes. E novos Espartanos cheios de heroísmo, continuai a defender com valor e constância a justa Causa da Integridade do Império!

Novembro 8 de 1836


1 Dos homens, bichos nas bulhas,
ambição é sempre o tema:
calculando-se o interesse,
resolvido está o problema.

Luiz Raphael Soyé.

Leia aqui um soneto de Ana Eurídice, publicado na Littera 7!

O presente texto foi extraído do volume O ramalhete, organizado por Hilda Agnes Hübner Flores (Nova Dimensão/EDIPUC, 1990).

Compartilhe:

Subscribe
Notificar
Insira seu nome
Insira seu endereço de email
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários