Revista de Cultura

Search
Close this search box.

Revista de Cultura

Search
Close this search box.

Atlântico

Adam Pijnacker, "Barco ao pôr do sol" (c. 1655)
Museu Hermitage

Maria José Leite Pereira

O astrolábio determinou o caminho das estrelas,
o Atlântico, lugar desconhecido,
povoado por monstros e sereias
foi dominado entre um misto de encantamento e medo.

Mas as águas escuras do oceano vencido
consumiram os corpos daqueles que não resistiram ao peso das Naus.
Gritos e gemidos lúgubres atravessaram o Atlântico durante séculos,
e os Barcos à vela, empurrados pelo vento levavam negros aprisionados,
e donzelas em lamento.

As trocas eram concretas:
os altares queriam ouro, e os índios queriam espelhos;
abstrata era a força da fé que empurrava os padres para às matas,
todo o resto era palpável: madeira, pedras preciosas, índias, e especiarias.

Hoje, atravessamos o oceano que nos atravessa,
e as identidades marcadas por esta travessia flutuam
sobre um espaço sem fim.

Histórias tristes, e sonhos, afundam ou emergem
conforme confrontamos a dor que sobrevoa o oceano azul
habitado pelas memórias dos antepassados.

Perdemos o caminho das estrelas,
mas ganhamos o sinal invisível do satélite
que permite a jornada de sementes coloridas,
oriundas da África de universos infinitos
que o nosso coração aquece.

Portugal, 15 de Julho de 2023

Compartilhe:

Subscribe
Notificar
Insira seu nome
Insira seu endereço de email
1 Comentário
Mais recentes
Mais antigos
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários