Revista de Cultura

Search
Close this search box.

Revista de Cultura

Search
Close this search box.

Três trechos de O duplo refletido, de Lorraine Ramos Assis

René Magritte, "La reproduction interdite" (1937). Museu Boijmans van Beuningen, Roterdã

Lorraine Ramos Assis

1

No Brasil, século dezenove, discutiam sobre a mulher gozar dos mesmos direitos da herança no decreto 181. Obstáculos não mais existiam, mas sim uma arquitetura de um mesmo sobrenome a desfrutar os direitos dos filhos. Não importava a decisão profissional de nossos companheiros, ou a educação dada a quem foi parido nesses mares. Na França, os obstáculos eram garantidos pela confiança na organização hierárquica com barras. Barras memoram prisões.

Quero sair desse cômodo e nunca mais voltar. Olhar para a face fluvial do mirante azul, a que reconheço desde os afogamentos. Entoar o que me tornaram e falar a língua daqueles a terem me conferido induções dramáticas. Sempre gostei ou melhor, me forcei a ser o palco. E no palco exprime-se imagem e essência, confundindo o telespectador como coautor dos malabarismos linguísticos. E assim fujo.

Polida: se minha fala está feita de extravagâncias, conjuntas às maiores obsessões, na vida sou um silêncio para quem a face é demolida tal qual um imóvel ou um espólio de antigos maridos.


2

Onde eu estava?

Eu não me lembro.
eles fatigam meu nome, mas não me lembro.
Lili.
Parei. Pensei na própria regata preta e no canal revisitado perto da lanchonete.
As vias estavam obstruídas, não havia mais caminho a ser percorrido.
Lili.
Lineia.


Era esse o meu nome?

Flor de tulipa rasgada, libero o pó para que saiba
Ainda vivo
Mesmo não sabendo onde
Amnésica
Caminho sem mais mastigar a barbárie
Recordo-me a perpétua luz projetora do futuro daquele que me disse

Somos todos sonhadores. Mas quem está sonhando?

3

sentindo o ar preso em corpo de perpétua fuga
consegui fisgar um semblante de madeixas pretas nariz adunco
o olhar a que chamavam

a doçura enigmática fora do escudo marmorizado

contudo a garota (ou qualquer coisa a ser) contornava tanto os seus gestos que as madeixas
por desespero foram cortadas uma a uma e essa pessoa de tanto assinar e esconder o
último sobrenome daquele homem sentia não existir mais

se ela não sentia nada desde tenra idade

quem era eu, afinal?

Lineia
Ou
Lyna?

Compartilhe:

Subscribe
Notificar
Insira seu nome
Insira seu endereço de email
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários